Apla-Enzima descoberta na Amazônia pode aumentar eficiência na produção de E2G
Logotipo Apla Sugarcane
EN ES PT

Enzima descoberta na Amazônia pode aumentar eficiência na produção de E2G

Uma enzima descoberta em micro-organismos que vivem no lago Poraquê, na Amazônia, capaz de liberar açúcares fermentáveis da palha e do bagaço da cana-de-açúcar, pode triplicar a atual produção de etanol do Brasil. A afirmação é do pesquisador Mario Tyago Murakami, do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP), e um dos coordenadores do estudo.
 
De acordo com Murakami, a enzima chama a atenção por possuir propriedades funcionais capazes de aumentar a eficiência na produção do chamado etanol de 2ª geração (E2G). O estudo apontou que ela é protagonista no processo de "Sacarificação e Fermentação Simultânea (SSF)", liberando açúcares da biomassa simultaneamente à produção de etanol.
 
"Se você pensar na indústria da cana, um terço da produção vira açúcar de mesa e etanol. Os outros dois terços são a palha, que fica no solo, e o bagaço. Então, se utilizá-los, você consegue triplicar a produção de etanol sem plantar nenhum hectare a mais. Você otimiza o uso da terra com um processo mais eficiente", explica Murakami.
A análise estrutural da enzima foi realizada pela equipe coordenada por Murakami no Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), no CNPEM, em Campinas. Já o trabalho de bioprospecção na Amazônia ficou sob responsabilidade do professor Flavio Henrique da Silva, da UFSCar, de São Carlos (SP). A pesquisa é financiada pela Petrobras.
 
'Seleção natural'
 
De acordo com o professor Mario Tyago Murakami, a descoberta da enzima na Amazônia não foi à toa. Segundo ele, a equipe procurou em nichos capazes de abrigar micro-organismos que se adaptaram a uma alimentação rica em polissacarídeos, constituída por resíduos de madeira, folhas de plantas e outras matérias orgânicas. Uma espécie de "seleção natural".
 
"Imagine que a natureza está agindo há muito tempo. São milhões e milhões de ano de coexistência, evolução desses micro-organismos na presença desse material. Essa era a premissa de que existia lá [Amazônia) algo altamente eficiente, evoluído para esse fim".
 
O pesquisador do CTBE explica que a enzima encontrada não é fruto de um único micro-organismo, mas de uma cultura inteira disponível no lago Poraquê.
 
"Em 1 ml de água você encontra centenas, milhares de micro-organismos de diferentes espécies. E 99% desses bichinhos a gente jamais será capaz de cultivar em laboratório. Então, nossa estratégia é extrair todo o material genético da comunidade, não de um indivíduo, para analisar e prospectar os genes", conta.
 
Em análises no Laboratório de Luz Síncroton, em Campinas, os pesquisadores fazem o estudo atômico das estruturas, gerando terabytes de sequências de proteínas e enzimas. Ferramentas permitiram a escolha das enzimas com propriedades mais interessantes para o processo de biocombustível.
 
"Uma vez identificado o DNA que codifica essa enzima, sintetizamos o DNA em laboratório e colocamos esse material em um hospedeiro, um fungo ou bactéria, tornando-o disponível para o processo industrial", explica Murakami.
 
De acordo com o pesquisador, a enzima, apesar do papel de protagonismo no processo para viabilizar a produção do etanol de 2ª geração, é apenas uma parte do trabalho realizado há décadas pelas equipes do CTBE e da UFSCar.
 
"Ela é vital porque realiza a última etapa do processe, mas temos várias enzimas patenteadas, fungos, anos de pesquisa na área de tecnologia para gerar biocombustível. Nossa expectativa é ter uma tecnologia nacional baseada em todas as descobertas", completa.
 
Fonte: G1 via Nova Cana