Apla-Mercado de biocombustíveis na Guatemala está aquecido
Logotipo Apla Sugarcane
EN ES PT

Mercado de biocombustíveis na Guatemala está aquecido

O técnico do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da OEA (Organização dos Estados Americanos), Rubens Contreras declarou ao portal de notícias Prensa Libre da Guatemala, que se os poços das estações estão em boas condições, o etanol poderá ser armazenado. O investimento será de R$ 4 mil por bomba e ainda, os veículos não requerem qualquer modificação.

 

Sobre o preço do combustível, se aplicado o etanol, será regido pelo petróleo, porque a mistura será apenas 10% (E10). Por esse motivo, o impacto no preço seria mínimo.

 

O embaixador do Brasil na Guatemala, João Luiz Pereira disse que em seu país etanol tem sido utilizado como um aditivo da gasolina desde 1975 e, em muitos carros é o único combustível. "Desde 2003, o piloto pode escolher o que você quer ou mistura de combustível é mais barato usar", disse Pereira.

 

Na Guatemala, o etanol é produzido a partir do melaço da cana-de-açúcar.

 

Alterações e custos

 

Enrique Melendez, presidente da Associação de Comerciantes de Combustíveis, disse que primeiro deve-se socializar o tema para estabelecer a viabilidade do projeto na Guatemala.

 

Ele acrescentou que a preocupação dos postos de gasolina está nas alterações a serem feitas para os tubos e tanques de armazenamento de combustível. "Estamos preocupados com o aperto que você precisa deste produto em tanques e transportes", disse Melendez.

 

Ele ressaltou que ainda não há um número exato sobre os investimentos a serem realizados para a implementação do mix.

 

"O preço da mistura depende do custo de álcool e óleo para fazer um balanço e ajustar os custos para o preço por galão, mas o impacto seria mínimo", disse o gerente dos varejistas. Ele acrescentou que a América do Sul é onde a maior parte do etanol é usado.

 

 

Fonte: www.prensalibre.com