Apla-Nova lei do agro amplia opções de acesso ao crédito rural
Logotipo Apla Sugarcane
EN ES PT

Nova lei do agro amplia opções de acesso ao crédito rural

Em novo painel de debates sobre a Lei do Agro (13.986/2020) promovida pela Frente Parlamentar da Agropecuária, nesta quinta-feira (02), o deputado federal Pedro Lupion (DEM-PR), relator do Projeto de Lei resultante no preceito normativo, recebeu o diretor do Departamento de Financiamento e Informação – SPA/MAPA, Wilson Vaz de Araújo; a assessora técnica de política agrícola da CNA, Fernanda Schwantes; o chefe do Departamento de Crédito Rural e Proagro do Banco Central, Cláudio Filgueiras; o coordenador-geral de Operações Fiscais do Tesouro Nacional, Rafael Brigolini; e o coordenador técnico da FPA, João Henrique Hummel para discutir os impactos da Lei 13.986 no Crédito Rural.

Inicialmente, João Henrique, coordenador técnico da FPA, destacou que a “regulamentação da Lei do Agro empodera o produtor e dá opção de escolha ao crédito”. João enfatizou que “além da transparência e fortalecimento da economia de mercado, a lei é estrutural para o longo e médio prazo”, destacando que “o desafio atual é buscar na regulamentação a melhor integração do produtor rural”.

Com enfoque no Plano Safra, divulgado no dia 17 de junho, o diretor do Departamento de Financiamento e Informação do MAPA, Wilson Vaz, destacou que “já são 29 anos de Plano e uma espinha dorsal foi construída nesse período”. Vaz falou ainda de pontos conquistados no Plano Safra 2020/21, como a redução de taxas de juros, que atualmente está entre 2,5% e 7,5%.

Por sua vez, a assessora técnica de política agrícola, Fernanda Schwantes, enfatizou que “o maior ganho do Plano Safra para o setor foi a ampliação de mais de 30% do volume de subvenção do seguro rural” e anunciou que a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) está construindo diretrizes para um plano agrícola plurianual.

Cláudio Filgueiras, do Departamento de Crédito Rural e Proagro do Banco Central, falou sobre a exigência de mitigação de risco do BC e possíveis medidas para evitar a venda casada. Filgueiras citou ainda que “foi inserida uma cláusula, onde a instituição financeira já está autorizada a renovar automaticamente operações que o produtor realiza ano a ano”, sem a necessidade da burocracia existente em tempos passados. “Acredito que assim haverá um ganho muito grande para o crédito rural nesse próximo Plano Safra”, ratificou o chefe do Derop.

A respeito da desburocratização do processo de tomada de crédito, que anteriormente à Lei do Agro era feito de forma presencial, com assinatura de próprio punho do produtor rural, o deputado federal Pedro Lupion ressaltou que “o novo ordenamento busca simplificar e modernizar as cédulas de crédito rural” e explicou que “com a Lei do Agro tudo isso pode ser feito pela internet utilizando apenas o aparelho de celular”.

Por fim, o coordenador-geral de Operações Fiscais do Tesouro Nacional, Rafael Brigolini disse acreditar que “o melhor caminho para instituições financeiras é o trazido pela competição, assim como faz a lei 13.986/2020”. Brigolini explicou que as Portarias que vão sair contarão com dois novos agentes de crédito, o BRDE e com o Banrisul. “Acreditamos que no próximo Plano Safra novos agentes devem entrar”, encerrou.

Na próxima quinta-feira (09), a Frente Parlamentar da Agropecuária continua com a série de lives sobre a Lei do Agro, com o tema “Patrimônio Rural em Afetação”. Será debatida a possibilidade de o agricultor desmembrar uma parte de sua propriedade, devidamente georreferenciada e registrada em cartório, evitando ter que oferecer toda a sua propriedade como garantia de créditos de valor, em algumas situações, muito inferior ao de seu patrimônio.

Fonte: Universo Agro/Datagro