Apla-Safra da cana-de-açúcar na região de Piracicaba tem produtividade 12% maior em 2015
Logotipo Apla Sugarcane
EN ES PT

Safra da cana-de-açúcar na região de Piracicaba tem produtividade 12% maior em 2015

A pleno vapor, a safra da cana-de-açúcar na região de Piracicaba registra preço e produtividade melhores que no mesmo período do ano passado, porém, o valor pago pela tonelada do produto ainda é baixo frente ao aumento de custos dos insumos e não anima produtores.
 
Segundo a Coplacana (Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo), cerca de 10% do total previsto para a safra já foi processado pelas usinas, o que gira em torno de 4 milhões de toneladas na base regional da entidade.
 
A colheita deve terminar em dezembro. De acordo com o presidente da Cooperativa, Arnaldo Bortoletto, a produtividade atual da lavoura supera em 12% o registrado na mesma ocasião de 2014.
 
A chuva do último fim de semana, no entanto, acabou prejudicando a colheita, já que o campo molhado impede a entrada das máquinas para o trabalho e, somado a isso, a planta perde qualidade com diluição dos seus teores de sacarose.
 
“A safra começou bem, com melhor produtividade em relação à colheita passada, mas a chuva dos últimos dias deu uma parada geral, as usinas só devem voltar a moer na quinta-feira (04/06). A planta também acaba perdendo qualidade devido à diluição da sacarose e a recuperação leva em torno de uns dez dias, até porque esta é uma época de baixa insolação, o que faz com que o processo todo demore mais”, disse.
 
Segundo ele, o preço médio do ATR (Açúcar Total Recuperável) da cana-de-açúcar foi de R$ 0,49 em abril, logo no início da safra, o que remunerou os produtores em aproximadamente R$ 53 por tonelada no campo.
 
Em maio, no entanto, o valor do ATR já caiu para R$ 0,48 enquanto o ideal para que os canavieiros consigam um ganho adequado gira em torno de R$ 0,54. “Apesar da expectativa, acredito que esse valor não será alcançado nem mesmo ao final da safra.
 
O ATR está melhor que no ano passado, mas ainda assim não é animador para os produtores, os valores deixam muito a desejar”, afirmou Bortoletto. Ainda conforme o presidente, o que traz um pouco de ânimo aos plantadores é o aumento do consumo de etanol em todo o país, provocado pela alta da gasolina, que tornou o biocombustível mais competitivo no mercado.
 
Segundo ele, de janeiro a maio deste ano, foram consumidos 1,5 bilhão de litros a mais do que no ano passado, o que é um bom indicador para os canavieiros.
 
Na base regional da Coplacana, que compreende Piracicaba e outros 70 municípios, aproximadamente, 17 usinas e engenhos estão moendo cana nesta safra.
 
A expectativa é de que quase 40 milhões de toneladas sejam processadas até dezembro, considerando fornecedores e usinas. Atualmente, existem cerca de 140 mil hectares de cana-de-açúcar na região, dos quais 45 mil estão em Piracicaba.
 
Na safra passada, foram gerados 12 mil empregos na macrorregião e cerca de 1.300 no corte da cana em Piracicaba. Segundo a última atualização da Afocapi (Associação dos Fornecedores de Cana de Piracicaba), existem cerca de 15 mil fornecedores de cana na região e outros 700 em Piracicaba.
 
Fonte: Jornal de Piracicaba