Apla-Tecnologia da UFSCAR pode aumentar produção de Etanol
Logotipo Apla Sugarcane
EN ES PT

Tecnologia da UFSCAR pode aumentar produção de Etanol

Um novo tipo de levedura deve ampliar em até 25% a produção de biocombustível de cana, sem que seja necessário expandir a área plantada. O processo que transforma açúcar proveniente da matéria orgânica em etanol, mais rápido que o método atual, deve ajudar o setor a atender a crescente demanda do País pelo combustível renovável.

A pesquisa desenvolvida por especialistas da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), é uma resposta para suprir as necessidades do consumidor e da indústria e pode significar um incremento de produto sem aumento do custo nas bombas.

Utilizando cinco novas leveduras, fungos resistentes a uma temperatura mais alta, chegando a 42 graus, a técnica permite eliminar um maior número de bactérias que prejudicam a produção, aumentando com isso a quantidade e diminuindo em até duas horas o tempo de fabricação do etanol.

Segundo Anderson Ferreira da Cunha, um dos pesquisadores responsáveis pelo projeto, o processo, que está sendo testado em uma unidade industrial, é uma iniciativa importante para a indústria canavieira.

“Pode representar um passo significativo, pois se há aumento na produção, vamos conseguir reduzir o preço do etanol em todo o território nacional, que é uma demanda grande da sociedade,” ressaltou Cunha.

Para o gerente em Economia e Análise Setorial da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Luciano Rodrigues, a indústria, que carece de alternativas para tornar a produção de biocombustível mais barata e rápida, só tende a ganhar com iniciativas como essa.

“O biocombustível de cana é infinitamente mais vantajoso para o ambiente quando comparado com a gasolina. Para torná-lo mais competitivo economicamente em todos os Estados brasileiros, além de políticas públicas que reconheçam as externalidades positivas do etanol, é essencial o desenvolvimento de tecnologias que contribuam para o aumento da  produtividade e redução dos custos de produção,” afirmou Rodrigues.

 

Fonte: Única